Por que deixei de comprar livros físicos

Por que deixei de comprar livros físicos

Biblioteca com muitos livros

Sempre fui maníaco por livros. Tê-los, em todas as minhas preferências de gênero, e em grande quantidade sempre exerceu um poder até terapêutico sobre mim. Quanto mais livros na estante de casa, melhor.

Porém, já tem algum tempo que venho praticando alguns princípios do minimalismo em minha vida, e essa mudança interior me fez repensar minha relação com os livros. A pergunta sacana “eu compraria este livro de novo?” surpreendentemente me trouxe muitos “nãos”, e por isso decidi não ser dissonante: me desfiz de muitos livros, mantendo só os indispensáveis.

Kindle

Pessoa lendo um ebook com um Kindle acampando perto de montanhas.

Sempre estou lendo algum livro e por isso, vez ou outra um amigo meu sempre me indicava o tal do Kindle. Eu, horrorizado com a idéia, sempre fugi do tal gadget como o diabo foge da cruz. Como assim comprar um leitor de livros digitais? E a experiência de uso do livro físico, onde fica? O cheiro de livro novo? O peso? A gramatura e a textura das páginas nas polpas dos dedos? E o tesão de se ler um livro em capa dura? Definitivamente o Kindle era uma heresia pra mim.

Esse puritanismo em relação aos livros físicos durou até há pouco tempo, quando percebi que não releio livros.

Foi difícil assumir que, depois de usados, abandono os livros em minha estante por meses e anos, tornando-os itens de decoração empoeirados. Isso sem falar dos livros que comprei, nunca li e nem lerei.

Por isso acabei me desfazendo da grande maioria dos meus livros físicos e abrindo caminho para comprar um Kindle. E quer saber? Foi a melhor decisão que já tive:

  • Acabei reduzindo tralhas desnecessárias em nossa casa, ganhando um bom espaço;
  • Posso transportar um Kindle com centenas de títulos na memória e ocupar somente o espaço físico de um pequeno livro;
  • E-books não pegam poeira e nem sofrem com o desgaste do tempo;
  • E-books não utilizam impressão, não agredindo o meio ambiente na sua produção.
  • Acabou a espera de dias na entrega de um livro comprado pela internet. Depois da compra, o e-book é baixado imediatamente no Kindle;
  • O preço dos e-books é quase sempre mais barato do que os livros físicos.

Existe também o Kindle Unlimited, que é uma espécie de Netflix dos filmes, onde você tem à sua disposição milhares de livros digitais para ler durante o mês pagando um valor mensal. Depois da assinatura, li muito mais livros do que antes. E estou adorando.

Claro que existem exceções ao livro digital, como livros físicos que ainda não possuem sua versão digital, ou livros de experiência sensorial única como o livro S, de J. J. Abrams. Aí não tem como: o jeito é meter o louco e comprar o livro físico mesmo. Desfrutá-lo ao máximo, sorver até a última gota de suas palavras e então levá-lo a um sebo, vendê-lo ou dar de presente a algum amigo para que ele tenha a mesma boa experiência com o livro. Vida que segue.

HQs

Créditos da imagem: site Action Nerds

Também sou fã de Histórias em Quadrinhos. Porém somente compro HQs em formato físico, já que atualmente não existem formatos digitais que tragam uma experiência de uso satisfatória para esse tipo de mídia. Pelo menos eu acho isso.

Assim como os pouquíssimos livros físicos que ainda compro, quando compro uma HQ, eu a leio, e depois a vendo em um sebo ou em sites de venda como o Mercado Livre, OLX e Enjoei. Nada de acúmulo mais. Pra fins de conhecimento, mantenho somente 5 HQs em casa, que são aquelas que considero as melhores de todos os tempos.

Conclusão

Na tarefa de reduzir a quantidade de objetos ao meu redor, percebi o quão é engraçado como livros físicos podem ocupar um espaço desnecessário na nossa vida.

Hoje não compro mais quase nenhum tipo de mídia física. Agora é praticamente tudo em formato digital: livros, filmes, músicas e jogos.

Como um recém-minimalista, os e-books são tudo o que sonhei. Claro que também devemos estar atentos para evitar o acúmulo digital, consumindo somente o que for essencial e da maneira mais intensa possível.

Afinal você não quer ter milhões de livros digitais em sua estante digital, migrando o problema do consumismo somente do físico pro digital.

Preste atenção se você somente tem livros simplesmente pela ação de acumular.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *